As árvores como tema central na mitologia e cultura nórdica: uma perspectiva arqueológica


Tradução e adaptação: Mare Nostrum
Fonte:  Scandinavian-Canadian Studies
Artigo: Trees as a central theme in Norse mythology and culture - Amanda Gilmore
Revista Scandinavian-Canadian Studies - Volume 23 - Ano: 2016.

Introdução

O contínuo tema das árvores na mitologia nórdica é importante para nossa compreensão da cosmologia da mesma. Nos textos Völuspá, Grímnismál, Gylfaginning e Völsunga, a árvore é usada para simbolizar e explicar aspectos importantes centrais para a cultura Nórdica. Através de um análise desta evidência textual, juntamente com evidências arqueológicas, incluindo mais notavelmente uma igreja em Frösö, Jämtland, uma estrutura de pedra em Bjärsgård, uma pedra rúnica em Österfärnebo, e análise do conceito de Vårdträd, este artigo explora a ideia de árvores como guardiões e, finalmente, como um tema significativo na compreensão da mitologia nórdica e sua conexão com a cultura material escandinava. Comparando as fontes literárias que temos nestes textos islandeses com a cultura material encontrada no passado e atualmente, em toda a paisagem escandinava, encontramos o significado da árvore desempenhando um papel protetor e benéfico na literatura e cultura nórdica, tanto no medievo como no presente. Este artigo procura explorar os benefícios de comparar o estudo da literatura antiga com a arqueologia na busca de uma compreensão abrangente da importância das árvores na cultura escandinava medieval e como essa importância é compreendida no discurso moderno escandinavo entre os campos de arqueologia e estudo da literatura.

A importância das árvores na antiga literatura norueguesa

Nos antigos textos islandeses, a presença de árvores simboliza a sabedoria, a justiça, a criação e a proteção (Kvilhaug, 2013). Em Völuspá, o conceito de "árvore do mundo, ou cinza mundial", é mencionado na estrofe 19.1, ligando o kenning¹, Yggdrasill,[1] ao conceito de uma árvore como o centro do cosmos nórdico.
Ask veit ek standa,
heitir Yggdrasill,
hár baðmr, ausinn
hvíta auri;
þaðan koma doggvar
þærs í dala falla,
stendr æ yfir grœnn
Urðarbrunni.
(Kristjánsson and Ólason 295)
Tradução:
Uma cinza está de pé, Yggdrasill é chamado,
Uma árvore alta, encharcada de limo brilhante;
De lá vêm os orvalhos que caem no vale
Verde, está sempre sobre o poço de Urd.
(Larrington 6)
Nesta estrofe, diz-se que Yggdrasill é o centro dos nove mundos da mitologia nórdica, desde a sua colocação sobre o poço de Urd, onde os Æsir ganham a sua sabedoria e, como afirmado em Gylfaginning, é o "lugar central e sagrado dos deuses". (Sturluson 2005, Cap. 15). O décimo quinto capítulo de Gylfaginning é dedicado a descrever a cinza mundial, Yggdrasill, como central para a vida do Æsir:
Askurinn er allra trjáa mestur og bestur. Limar hans dreifast um heim allan og
standa yfir himmi. Þrjár rætur trésins halda því upp og standa afar breitt. Ein er
með ásum, önnur með hrímþussum, þar sem forðum var Ginnungagap. Þriðja
stendur yfirNiflheim og undir þeirrirót erHvergelmir. EnNiðhöggur gnagar neðan
rótina. En undir þeirri rót er til hrímþussa horfir er Mímisbrunnur, er spekt og
manvit er í fólgið, og heitir sá Mímir er á brunninn. Hann er fuller af vísendum
fyrir þvi að hann drekkur úr brunninum úr Gjallarhorni. Þá kom Alfoður og beiddist
eins drykkjar af brunninum. En hann lagði auga sitt í veð.
(Sturluson 2013, 165)
Tradução:
[A cinza é a maior e a melhor de todas as árvores. Seus ramos se espalharam por todo o mundo, e se ergue sobre o céu. Três raízes sustentam a árvore e são espalhadas uma das outras. Uma está entre os Æsir. A segunda está entre os Gigantes Gelados... A terceira alcança chega às profundezas, Niflheim... Sob a raiz que vai aos Gigantes Gelados está o Poço de Mimir. A sabedoria e a inteligência estão escondidas aqui... A terceira raiz da cinza está no céu, e sob essa raiz está o famigerado e grandemente sagrado, Poço de Urd. Ali os deuses têm seu lugar de julgamento.]
(Sturluson 2013, 165) 
A partir deste excerto é claro que a árvore, especificamente a ideia de uma árvore mundial, é crucial para a compreensão da geografia cosmológica do Æsir, e, portanto, é importante para a nossa compreensão da mitologia nórdica como um todo. O papel crucial de Yggdrasill como apoio aos Æsir, servindo como um cenário das cortes sagradas, fornecendo sabedoria sob suas raízes, e conectando três mundos principais da mitologia nórdica, como afirmado em Gylfaginning, demonstra o significado da árvore em toda a mitologia nórdica. Como Lotte Hedeagerstates em seu trabalho Idade do Ferro Mito e Materialidade, "Ásgarðr [é] o lar dos deuses, no topo de Yggdrasill, o centro indiscutível do universo" (150-1). A declaração de Hedeager é mais apoiada por evidências encontradas em Grímnismál, em que Yggdrasill é dita ser a mais importante de todas as árvores:
Askr Yggdrasils,
hann er œztr viða
en Skíðblaðnir skipa,
Óðinn ása
en jóa Sleipnir,
Bilrost brúa
en Bragi skálda,
Hábrók hauka
en hunda Garmr.
(Kristjánsson and Ólason 376–77)
Tradução:
A cinza de Yggdrasill é a mais preeminente das árvores,
Como é Skidbladnir dos navios,
Odin dos Æsir, Sleipnir dos cavalos,
Bifrost das pontes, Bragi dos poetas,
Habrok dos falcões, e Garm dos Cães.
(Larrington 54)
Mais uma vez, a importância de Yggdrasill é reiterada. Em comparação com outros personagens importantes da mitologia nórdica, como Skíðblaðnir, Bragi e até mesmo Óðinn, o Pai de Todos (Larrington 55), a figura de Yggdrasill é claramente declarada como um aspecto fundamental da mitologia nórdica, sem a qual os deuses não teriam o centro dos nove mundos, e na qual os conceitos nórdicos de tempo, lugar, destino e morte estão todos ligados (Andrén 2005, 105-38).

As árvores na mitologia nórdica podem ser vistas através de uma perspectiva mais lendária, possivelmente até mais histórica, na Saga Völsunga, e especialmente na história de Barnstokkr. No casamento do rei Siggeirr e de Signý Völsungsdóttir, Óðinn, disfarçado como um velho vestido em farrapos, mergulha uma espada em Barnstokkr, uma árvore que está no salão do rei Völsung (Byock 38).
Sá maðr er mönnum ókunnr at sýn. Sjá maðr hefir þess háttar búning, at hann
hefir heklu flekkótta yfir sér. Sá maðr var berfættr ok hafði knýtt línbrókum at
beini. Sá maðr hafðisverð i hendi ok gengr at barnstokkinum ok höttsíðan á höfði.
Hann var hár mjök ok eldiligr ok einsýnn. Hann bregðr sverðinu ok stingr þvi í
stokkinn, svá at sverðit sökkr at hjöltum upp.
(Jónsson 114)
Tradução:
Um estranho a todos, usando um manto de muitas cores; Ele estava descalço, e suas calças de linho são amarradas ao redor de suas pernas. Este homem tinha uma espada na mão e um capuz puxado abaixo de sua cabeça. Ele um senhor de idade e com um só olho. Ele avança para [Barnstokkr], aponta a espada e mergulha-a até o punho no tronco.
(Grimstad 83) 
A presença de árvores em salões e edifícios em geral é uma ocorrência um tanto rara em textos mitológicos nórdicos,[2] ainda existem alguns exemplos em evidências históricas e arqueológicas (ver Ellis Davidson).

No trabalho de H. R. Ellis Davidson, "A Espada no Casamento", o conceito de Barnstokkr como um vårdträd é analisado. Ellis Davidson recorda o casamento de Signý e rei Siggeirr, observando a colocação significativa da entrada de Barnstokkrin no hal do Rei Völsung como importante para a "sorte e prosperidade" da família:
Parecem haver dúvidas de que aqui temos um exemplo da "árvore guardiã", tal como costumava estar ao lado de muitas casas na Suécia e na Dinamarca, e que estava associada à "sorte" da família. A árvore guardiã geralmente ficava ao lado da casa, mas há alguns casos das Ilhas Britânicas onde a árvore estava dentro da mesma e até fazia parte da própria casa.
(4) 

Embora a ideia de árvores guardiãs terem sua presença dentro e em torno de casas ser um fenômeno muito mais recente em comparação aos exemplos textuais antigos da centralidade das "árvores mundiais" (Andrén 2014, 37), Ellis Davidson afirma que Barnstokkr teria servido como uma árvore guardiã para o Völsungar e que Barnstokkr, em tradução, refere-se a "tronco da criança", afirmando que esta árvore provavelmente teria sido abraçadas por mulheres para a boa sorte no momento que dessem à luz (4). Ellis Davidson também afirma que a presença de Barnstokkr no salão da família lhes garantiria prosperidade na forma de descendência masculina e, no caso da árvore guardiã sendo destruída, a família deixaria de ser protegida (4-5). Embora a história de Barnstokkr seja diferente da de Yggdrasill, há conexões claras entre as duas árvores. O papel de Barnstokkr na Völsunga Saga faz a ponte entre o sobrenatural e o tangível no universo nórdico. Quando Barnstokkr é analisado ao lado de Yggdrasill, ambos contribuem evidências significativas para o tema das árvores como centrais para a história escandinava.

A relação entre as árvores na literatura nórdica e arqueologia

Agora que a importância das árvores na mitologia e lenda nórdicas foi estabelecida, a evidência arqueológica de árvores em um contexto nórdico pode também ser analisada. Embora existam poucas evidências arqueológicas de árvores antigas e madeira que permaneçam fora dos ambientes áridos e, portanto, ainda menos na Escandinávia, há casos de árvores sobreviventes, troncos de árvores, estruturas de pedra e runas que foram preservadas que sustentam a ideia de árvores como vital para compreensão da cultura nórdica medieval. Um exemplo arqueológico particularmente interessante pode ser encontrado na igreja românica de Frösö, em Jämtland, Suécia (Ver figura 8 em Andrén 2014, 37). A escavação arqueológica descobriu que a raiz de uma árvore de vidoeiro viking permanece sob esta Igreja Cristã, apoiando a teoria comum de continuidade cosmológica (Andrén 2014, 37), que sustentam a ideia de que aspectos importantes do mito e da lenda nórdica foram transferidos e aplicados durante a transição para o cristianismo no período medieval (Cusack 137, ver paralelos entre Yggdrasill e Cruz Crucificada na página 142 e árvores de acordo com "julgamento, lei e destino" nas páginas 147-70). É lógico, portanto, que a árvore e o que ela simboliza teria sido incluído em vez de removido na construção desta igreja cristã.

Outra coleção de exemplos arqueológicos que podem ser utilizados na compreensão da importância das árvores na cultura e mitologia nórdicas são as instâncias de três pontas de pedra em Bjärsgård, Skåne, na ilha de Öland e em Herresta, Odensala e Uppland na Suécia (Andrén 2014, 37-52). Nesses locais existem conjuntos de grandes pedras dispostas em forma de "tricórnio". Esta forma distinta representa as três raízes da cinza mundial, Yggdrasill (Andrén 2014, 37-52). Em locais semelhantes a Bjärsgård e Öland, há vestígios arqueológicos de postes com buracos no centro de cada local, onde um pedaço alto de madeira teria se erguido para simbolizar o tronco de Yggdrasill, com suas raízes de pedra se espalhando abaixo dela (Andrén 2014, 37-52). Esses postes representam a ideia de um "apoio mundial, funcionando como um centro de julgamento, governança e como fonte de água" (Cusack, p. 147-70). Como Carole M. Cusack examina em seu trabalho, A Árvore Sagrada, Adão de Bremen, em sua descrição do templo em Uppsala (208), afirmou que o bosque sagrado tinha uma fonte de água acompanhando sua extensão (Cusack 137). Estes "buracos"  encontrados em locais como em Bjärsgård podem conjecturalmente incorporar representações de locais sagrados e maiores, como no templo em Uppsala.

No local parcialmente destruído de Herresta, há um grante monólito que estaria no centro do ajuste da pedra para representar o tronco de Yggdrasill em vez de um poste de madeira (Andrén 2014, 37-52). Há muitos exemplos desses três "pontos de pedra" em toda a Escandinávia, com um local excepcional encontrado em Karmøy, na Noruega, onde uma igreja cristã era provavelmente erguida sobre um grande tricórnio, com dois troncos de monólito existentes ainda em pé no cemitério (Andrén 2014, 37-52). O sítio de Karmøy também pode ser usado para explorar a ideia de continuidade cosmológica, como mencionado no parágrafo anterior, a partir de uma perspectiva arqueológica. A construção de tricórnios solitários como os de Bjärsgård, Öland e Herresta pelos noruegueses indicam claramente que a ideia comunal da árvore era importante, especialmente a figura de Yggdrasill. Um exemplo arqueológico que é importante mencionar é o fragmento de rocha em Österfärnebo, na Suécia. Este fragmento, descrito por Marjolein Stern em sua obra "Sigurðr Fáfnisbani como motivo comemorativo", retrata a lenda popular de Sigurðr, o assassino de Fáfnir (ver Jónsson, Byock)[3]. Esse fragmento de pedra mostra "Sigurðr com anéis e cruz/árvore e  Sigrdrífa/Brynhildr com chifre", flanqueado por outras figuras com lanças ou varas, e tudo envolvido no símbolo de uma árvore com raízes, possivelmente simbólico do dragão na história de Sigurðr (Stern 898-99). A figura da cruz/árvore que Stern interpreta como especialmente significativa se assemelha claramente a imagens de árvores e aumenta a compreensão da importância das árvores na mitologia e na lenda nórdica.
O exemplo de uma cruz e uma árvore sendo combinadas nesta pedra rúnica também se conecta de volta à teoria da continuidade cosmológica e os aspectos importantes do antigo mito nórdico sendo adaptados pelo cristianismo durante a transição religiosa (Stern 898-99)[4]. Como afirmado no artigo de Jörn Staecker, "Heróis, Reis e Deuses", a história Sigurðr na Saga Völsunga "desempenhou um papel importante na fase de transição entre paganismo e cristianismo, um mediador entre a antiga herança e a nova maneira de pensar" (Staecker, 366). A transição gradual da religião nórdica para o cristianismo exigiu a assimilação de características de ambas as religiões para criar uma compreensão do cristianismo para os recém-chegados socializados em um complexo ambiente nórdico (Staecker 366). Portanto, é possível que os símbolos de árvores misturados com dragões, combinados com imagens da cruz e as representações de Cristo de Sigurðr sobre as pedras runas em Österfärnebo, encarnam a importância da árvore sendo incluída na transição do paganismo nórdico para o cristianismo (Staecker 366).

A evidência arqueológica da árvore guardiã na Escandinávia não se limita, de forma alguma, aos exemplos acima mencionados de monólitos antigos, esculturas de pedra e restos de árvores preservadas. Há exemplos de árvores guardiãs ainda existentes que mantêm uma presença em casas modernas da Escandinávia da atualidade:
Uma vista familiar na Islândia, fora das poucas cidades, há uma fazenda solitária com uma árvore solitária crescendo bem contra ela. Essas árvores devem ser um eco do século XX da árvore guardiã tradicional, objeto de veneração fora das fazendas e santuários como na Europa do Norte pré-cristã. A primeira e maior de tais árvores foi Yggdrasil. (Crossley-Holland 182)

Aqui, na descrição de Crossley-Holland sobre as árvores guardiãs modernas existentes na Islândia, o plantio de árvores solitárias perto de casas mostra a importância da presença de Yggdrasill para uma família e como um ícone religioso. O conceito de vårdträd[5], visto em  fazendas por toda a Suécia e conhecidas como trunte na Noruega, é um exemplo da sobrevivente tradição escandinava de plantar árvores ao redor de uma habitação familiar para invocar o poder cósmico de Yggdrasill, trazendo fertilidade, unidade e prosperidade para a família. A presença de um vårdträd ou trunte perto de uma casa ou celeiro teria servido como uma parte reverenciada, sagrada da herança, proporcionando uma ligação direta entre as árvores físicas e o ideal mitológico de Yggdrasill (Forell Hulmes 2). A árvore guardiã sobrevive na Escandinávia, originando-se na sociedade Viking e persistindo na paisagem atual:
Uma tradição especial que é compartilhada por muitos escandinavos é o plantio ou o conhecimento de uma árvore especial que em sueco é chamada de "Vårdträd", e em Norueguês "Tuntre"; Uma árvore sagrada plantada no centro do quintal em uma fazenda familiar que reflete uma intimidade com o lugar. O cuidado com a árvore demonstra o respeito pelos espíritos dos antepassados que se acreditava residir na árvore, e é um lembrete moral de cuidar da fazenda ou lugar onde se vive. (Forell Hulmes 2)

Ao examinar exemplos passados ​​e presentes da presença de árvores na Escandinávia, pode-se determinar que as árvores guardiãs sempre tiveram um papel central no lar (Forell Hulmes 2). Assim como no caso da festa de casamento no salão do rei Völsung, onde todos os convidados teriam se reunido em torno de Barnstokkr, a árvore guardiã na casa não-lendária escandinava medieval teria sido um elemento central de proteção e prosperidade para uma família, trazendo a unidade familiar. (Ellis Davidson 4-5). Embora não exista evidência explícita de escavação arqueológica de assentamentos existentes diretamente em torno das estruturas de pedra, como em Bjärsgård, Öland, Herresta e Karmøy, elas teriam unido a comunidade através de sua construção inicial e importância ritualística[6]. O papel da árvore como central para a vida não-mitológica é representada o cosmo mitológico nórdico através de Yggdrasill. Paralelamente, nas comunidades escandinavas, a ideia de que a "árvore do mundo" mantenha uma presença sagrada na vida comunitária e pessoal é representada pelo plantio e cuidado de um vårdträd. Colocadas perto de casas, para povos escandinavos estas árvores simbolizam um desejo de estar no contato com o que foi representado na religião nórdica com a figura de Yggdrasill. Como o centro do cosmos nórdico (Hedeager 150-1), Yggdrasill representa a fundação que mantém o cosmo dos Nórdicos, com suas raízes viajando para a terra dos Gigantes de Gelo, Niflheimr e Ásgarðr, conectando o mundo mitológico (Lindow) como postes de madeira, monólitos de pedra e vårdträd e trunte teriam ligado as antigas comunidades nórdicas, e ainda o fazem, no caso de exemplos que sobrevivem hoje.

Conclusão

A evidência textual de árvores como símbolos importantes na mitologia e lenda nórdicas pode ser combinada com evidências arqueológicas existentes para explicar o tema das árvores como centrais para a literatura e cultura do nórdico antigo. Ao analisar textualmente a presença de Yggdrasill como o centro do cosmos nórdico mitológico e a importância de árvores como Barnstokkr nos papéis de guarda, e combinando esta análise com a evidência arqueológica sobrevivente de povos nórdicos usando árvores na construção de igrejas, representando árvores em estruturas de pedra antigas, descrevendo árvores em pedras runas, e plantando o vårdträd, o significado da árvore para a vida Norueguês é claro. Como símbolo, a árvore, em suas formas metafóricas e arqueológicas, é um tema recorrente e de longa data central para a compreensão da mitologia nórdica como um todo. O uso dessa interpretação, combinando os fatos vistos nos exemplos literários e arqueológicos, é benéfico para nossa compreensão moderna dos povos escandinavos antigos num todo. A leitura de suas histórias, tanto mitológicas como lendárias, pode ser usada para entender melhor o modo como elas pensavam, e a interpretação dos restos arqueológicos deixados para trás pode ser usada para fazer uma conexão com a vida física dos povos escandinavos vividos há milhares de anos. Quando estudados juntos, é possível uma interpretação mais completa e integradora da cultura escandinava medieval.

___________________________

¹Na literatura medieval da Escandinávia o kenning é uma figura de linguagem poética utilizada para substituir o nome habitual de algo ou alguém. Trata-se da junção de duas palavras, onde a primeira complementa a segunda criando um sentido novo para as ambas em conjunto. Por exemplo, a palavra mar em inglês antigo poderia ter o nome de seġl-rād 'caminho da vela', swan-rād 'caminho do cisne', bæþ-weġ 'caminho do banho' ou hwæl-weġ 'caminho da baleia'. [N.T.]

Notas

1. O nome Yggdrasill traduz-se do Norueguês antigo que significa Yggr (Oðin) e drasill (cavalo) (Simek e Hall 375-76).

2. Para mais exemplos de figuras de árvores na mitologia nórdica, veja referências a Lærðrin Rudolf Simek e Angela Hall 185; Mimameiðr em Rudolf Simek e Angela Hall 216; Irminsûl em Andy Orchard 96; e Carole M. Cusack. Apesar das muitas representações diferentes de árvores em fontes literárias escandinavas, fora o caso de Barnstokkr na Saga de Völsunga, há poucas referências a estas árvores que têm uma presença em casas de família. Os conceitos de árvores protetoras na Escandinávia serão explorados mais adiante neste artigo, em referências a vårdträd e trunte. Veja também referências a árvores como microcosmos e macrocosmos em Douglas Forell Hulmes.

3. Para a história de Sigurðr, ver cap. 18 em Jesse L. Byock. Para a tradução islandesa, ver Guðni Jónsson.

4. Vale a pena mencionar a pedra rúnica Årsunda incluída por Stern, que também descreve uma parte da história de Sigurðr, com Sigurðr apunhalando Fáfnir, na qual Fáfnir é retratado como uma árvore que se ramifica na figura de cruz/espada.

5. Significado de "árvore guardiã" em sueco. De Carole M. Cusack 137.

6. A construção teria sido trabalhosa, mover pedras pesadas e madeira seria uma tarefa considerada importante o suficiente pela comunidade para justificar tirar tempo de outras responsabilidades, a fim de completar esse feito.

Referências

[Para consultar as referências desse artigo consulte o link disponível no item "fonte" no início dessa postagem para baixar o documento]



As traduções de artigos acadêmicos, dentre outros materiais, pelo Mare Nostrum tem a finalidade de democratizar o conhecimento e aumentar o número de produções de fácil acesso para brasileiros e brasileiras.

Share:

0 comentários